Sobre construir excelente experiência de usuário – livro EffectiveUI

Este é o primeiro post na idéia de escrever sobre os livros que leio, na tentativa de fixar melhor o que tô aprendendo. Rezemos pra que não seja o último! :)

O livro é Effective UI: The Art of Building Great User Experience in Software, os autores são os fundadores e os empregados da empresa EffectiveUI, no site deles tem uma página do livro. Pelo que entendi, a empresa trabalha principalmente com consultoria de UX, e o livro é baseado principalmente na experiência deles. Nunca tinha ouvido falar da empresa antes, mas se a O’Reilly pediu pra eles escreverem o livro, imagino que eles devem saber do que estão falando. :)
Ele trata do assunto: “como fazer um projeto de software de qualidade, considerando a experiência do usuário — UX (User eXperience)”. Quando me recomendaram esse livro, pensei que trataria de alguns princípios básicos de interface e que talvez tivesse algumas receitas de bolo para serem aplicadas no desenho de interfaces na prática. Todavia, um projeto de experiência do usuário* envolve muito mais do que questões de leiaute, tamanhos e tipografia. De acordo com os autores, para fazer softwares que estimulem o envolvimento do usuário e ajudem-no a fazer suas tarefas, é necessário construir um certo clima desde o começo do projeto, que possibilite a equipe ser eficiente, e manter esse clima durante o projeto até o fim. Por isso, acho que posso dizer que esse livro também é sobre como escapar das armadilhas que causam a maioria dos softwares serem muito ruins de usar, e que fazem projetos fracassarem antes de você ouvir falar deles.

* minha tradução para User experience design, não sei se existe termo melhor.

Boa parte dos conselhos do livro são diretamente aplicáveis para pessoas envolvidas com liderança de projetos, mas o conteúdo interessa qualquer pessoa que esteja envolvido em algum esforço pra produzir software de qualidade.

O engraçado é que, se eu soubesse de antemão exatamente do que o livro tratava, acho que eu não teria me interessado. Mas como me recomendaram como sendo um livro muito bom, resolvi ler e ver o que conseguiria aprender, e no fim das contas valeu muito a pena! O livro é bem abrangente, e fala de muita coisa que como desenvolvedor, é muito útil eu me dar conta. Ainda assim, tenho a impressão que algumas lições ainda vão demorar pra amadurecer na minha cabeça.

Alguns pontos importantes do livro:

  •  Melhorias na experiência do usuário (UX) de um produto podem render facilmente retorno sobre investimento, pois criam valor ajudando os usuários a atingir seus objetivos.
  • A responsabilidade pela experiência do usuário é de todo mundo, e não funciona sendo delegada a alguns departamentos isolados — basta lembrar de como é “divertido” ligar para o call-center da sua prestadora de telefonia…
  • Na hora de vender a idéia de melhorar a UX para as partes interessadas (stakeholders), exponha-as ao feedback dos usuários. Os autores inclusive contam uma história de como os stakeholders de um projeto finalmente decidiram priorizar a melhoria da usabilidade de um produto, depois de assistirem o vídeo de um usuário muito irritado com o software a ponto de esmurrar o teclado.
  • Você nunca tem todas as respostas antes do produto ser desenvolvido. Especificações e requerimentos funcionais feitos antes de começar o desenvolvimento são instantaneamente deficientes por terem sido feitos da perspectiva menos informada. Em vez de perder tempo definindo especificações, descubra os objetivos e as prioridades dos usuários e do negócio. Atingir os objetivos do negócio por meio de habilitar os usuários a atingir seus objetivos == sucesso.
  • Intolerância a incertezas é intolerável. Durante a maior parte do projeto, sempre haverá incerteza e desconhecidos, aprender a lidar com isso é fundamental. Planejamento detalhado demais está fadado ao fracasso porque muito do desconhecido ainda não foi descoberto. Evite os problemas do Big Design Up Front e comece o desenvolvimento o mais rápido possível. Quanto mais adiante no projeto você estiver, mais sábio você será. Por isso, descubra os objetivos cedo e postergue as decisões sobre os detalhes.
  • A coisa mais importante que pode ser feita para o sucesso de um projeto é montar a melhor equipe. A equipe deve reconhecer a importância das necessidades dos usuários para o produto. Sem empatia com os usuários, os desenvolvedores podem acabar sacrificando UX pelo que é mais fácil de fazer (ou por um “desejo de elegância” para o modelo), os designers podem focar demais em deixar bonito em vez de funcional, e outros colaboradores podem dar importância demais às suas suposições sobre como o produto deve ser e deixar de lado a pesquisa de usuário: tudo isso sacrifica a qualidade do produto e diminui as chances dum bom retorno sobre o investimento.

Além da parte inicial que apresenta alguns conceitos de UX, explica sua importância e por que você deveria se importar, o livro tem um capítulo muito interessante sobre como capturar a perspectiva do negócio. Nele são descritos alguns exercícios úteis para ajudar a descobrir as expectativas das partes interessadas, encontrar as reais necessidades por trás das idéias formuladas (por exemplo, alguém pode dizer que deve haver um mecanismo para os usuários trocarem emails, em vez de expor a necessidade de  compartilhamento de recursos e facilidades de colaboração), estabelecer o público-alvo do produto e as características de alguns usuários desse público, e ainda, priorizar quais são as partes importantes disso tudo. Basicamente, uma sucessão de negociações e de aplicações do princípio de Pareto para descobrir o que é realmente necessário.

Mas o trecho que mais me chamou a atenção foi o capítulo intitulado Arquitetura Inicial do Produto (Initial Product Architecture), que discorre sobre as decisões iniciais do desenvolvimento, sobre coisas que serão difíceis de mudar depois. A hora em que são respondida perguntas tipo: “Que tamanho é esse troço que vamos fazer?” “Que outros produtos teremos que integrar?” “Quais linguagens/plataformas vamos utilizar?”  “Como os componentes serão conectados?” “Como as pessoas vão usar as coisas que vamos criar?” “Que ‘cara’ o produto vai ter?”, e várias outras. Segundo os autores, são dois tipos de “arquitetos” que trabalham nessa parte: os “arquitetos de UX” e os “arquitetos técnicos”.

Os arquitetos de UX usariam seus conhecimentos (que envolvem usualmente usabilidade, design gráfico, práticas de engenharia de software, etc, até psicologia) para produzir um refinamento das soluções a serem desenvolvidas através de descrições de cenários contextuais, guias de estilos, mapeamento de fluxos da interface, elaboração de nomenclatura, e outras coisas mais. O livro detalha algumas técnicas usadas, e eu curti em especial a parada sobre o uso de cenários (exemplos aqui – em inglês), porque esses tempos comecei a fazer algo parecido num projeto sem saber, e me pareceu que funcionava legal. A sacada desses cenários é que você descreve os passos que o usuário precisa para fazer uma tarefa, mas não precisa especificar cada detalhezinho que você não precisa definir. Dessa forma, os cenários representam as características tradicionais de um framework: deixam fixo e estável o que já se sabe, flexível e maleável o que ainda precisa ser descoberto.

Ainda nesse mesmo estágio de arquitetura inicial, os arquitetos técnicos resolveriam os aspectos técnicos chave do produto que devem ser definidos de antemão, tendo em vista as necessidades e restrições existentes. As tarefas geralmente envolvem coisas como descobrir quais recursos existentes serão aproveitados, quais linguagens/plataformas devem ser usadas, que elementos de infraestrutura serão necessários, e por último mas não menos importante, começar a identificar a lógica de negócio (que usualmente está espalhada em outros softwares, planilhas Excel e às vezes apenas na cabeça de algumas pessoas).

Por fim, os últimos dois capítulos tratam sobre o restante do projeto (onde é gasto a maior parte do tempo), ressaltando a importância de feedback e de comunicação durante todas as etapas do projeto. O primeiro deles discorre especificamente sobre a importância do processo de desenvolvimento ser iterativo, para agilizar a obtenção de feedback e a reavaliação das decisões, restrições e objetivos levando em conta o feedback obtido. Esse capítulo dá algumas idéias interessantes sobre minimizar as desvantagens de um processo de desenvolvimento problemático que você pode estar sendo forçado a trabalhar (como um cascata ou um BDUF):

  •  permitir mais liberdade nas etapas posteriores de desenvolvimento; às vezes isso pode ser feito simplesmente renomeando os documentos “requisitos” e “especificações” produzidos para “diretrizes” e “recomendações”. :)
  • envolver profissionais de outras disciplinas nas diferentes etapas: colocar alguns profissionais de UX e desenvolvedores também para trabalhar na definição dos requisitos de negócio, envolver também pelo menos um especialista de UX e de negócio na etapa de desenvolvimento.
  • apressar as primeiras etapas para chegar logo na etapa de desenvolvimento, que será melhor de responder as perguntas. Qualquer especificação feita antes será cheia de erros e omissões e muitas vezes são criadas apenas por necessidades burocráticas, então é melhor não gastar muito tempo nisso e ir logo para a etapa em que as respostas serão realmente obtidas.

E o último é sobre as ações relacionadas aos releases, que devem ter como objetivo obter feedback (versão alpha para feedback de usuários internos, versão beta para feedback de uma amostra de usuários mais perto do real), e também das tarefas necessárias após o release: marquetar o produto (muito necessário, mesmo que seja para uso interno da organização), montar a documentação para os usuários (de preferência embutida no próprio produto, disponível no contexto), e recapitular as lições aprendidas. É importante verificar se os objetivos do negócio originais estão sendo alcançados, e os objetivos do usuário também: o resultado pode virar material para o próximo projeto. Pode ser útil embutir no produto mecanismos para rastrear as ações dos usuários, para verificar quais áreas requeiram atenção.

Enfim, talvez esse texto tenha ficado comprido demais, mas pode também ser um bom sinal: o livro é bom e até que aprendi bastante coisa. Recomendo!

Valeu, Filipi (NEXTT), pela recomendação do livro. :)

Esse post foi publicado em General e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Sobre construir excelente experiência de usuário – livro EffectiveUI

  1. Pingback: Desenho de Interface do Usuário – para programadores | hopeful ramble

Os comentários estão desativados.